O TDAH é real ou não entendemos mesmo?

by CJ McDaniel // abril 2 // 0 Comments

A questão de saber se o TDAH é real ou não tem sido um tema muito controverso há muitos anos. Responderei a pergunta de forma muito sucinta para ajudar a esclarecer quaisquer mal-entendidos.

O TDAH é real e nós realmente não entendemos. O que se entende por essa afirmação é que o TDAH é muito mais complexo do que normalmente pensamos. Então, ao fazer a pergunta é tDAH real, sem saber, trazemos à tona um tema muito complexo e amplo.

O que alguém está tentando fazer ao fazer a pergunta “o TDAH é real”?

Infelizmente, às vezes o que o interlocutor está se metendo é uma tentativa de invalidar as experiências, desafios e dificuldades que alguém que foi rotulado com TDAH enfrentou em sua vida.

A intenção por trás dessa linha de questionamento tem sido muito criticada na Internet por tornar a vida das pessoas que lutam com TDAH ainda mais difícil, pois lidam com o mal-entendido das pessoas e não aceitam suas diferenças e desafios diariamente. Acredito que isso seja um grande desserviço para pessoas que foram rotuladas com TDAH, famílias e entes queridos de pessoas que vivem com TDAH, e para profissionais que ajudam pessoas com TDAH.

Agora, com isso dito pode haver outra intenção por trás da pergunta “o TDAH é real?” que poderia ser muito favorável às pessoas com TDAH. Certamente se você perguntasse a qualquer pessoa que luta com TDAH, diria que é realmente real, porque suas lutas são muito reais. O que poderia ser benéfico para as pessoas com TDAH é reformular a questão do ponto de vista de entendermos completamente o que é TDAH?

Então, eu diria que as experiências e lutas das pessoas são muito reais e não entendemos completamente a natureza completa dessas lutas nem o que as está causando. Qualquer tentativa de entender completamente a natureza das lutas e o que as está causando seria de grande valor para as pessoas que foram rotuladas com TDAH e estão lutando diariamente.

Para abordar essas questões temos que olhar e abordar o que é TDAH e o que significa que algo seja real?

TDAH é um termo que os profissionais de saúde mental criaram com base na similaridade coletiva dos sintomas de indivíduos que experimentam dificuldade em suas vidas que afetam sua capacidade de funcionamento na sociedade. A comunhão desses sintomas são questões de atenção e, às vezes, hiperatividade. Assim, os profissionais de saúde mental cunharam o transtorno do déficit de atenção com hiperatividade.

Então, acabamos de definir o que é TDAH ou acabamos de descrever um conjunto de sintomas que as pessoas têm?

Obviamente, fizemos o último. Se fizéssemos o primeiro com precisão, então não haveria necessidade subsequente de pesquisa sobre TDAH. Os profissionais teriam uma compreensão completa do TDAH, pois sua definição de TDAH é equivalente ao que é TDAH. Infelizmente, as coisas não são tão simples ou fáceis.

Embora o termo TDAH possa descrever um conjunto de sintomas que muitos indivíduos compartilham, é apenas um termo descritivo. Um termo descritivo é diferente da experiência que ele está tentando descrever. Além disso, um termo descritivo não produz uma compreensão completa da experiência, mas apenas o que é observável no exterior. Desta forma, a experiência interna do TDAH permanece um mistério para um observador externo.

A fim de ajudar totalmente as pessoas que estão lutando com o que estamos chamando de TDAH – teremos que entender a experiência do TDAH. O primeiro passo para fazer isso é separar o termo descritivo do TDAH da experiência real do que chamamos de TDAH. O que as pessoas vivenciam é real, e essas experiências devem ser estudadas rigorosamente para gerar conhecimento e conhecimento úteis sobre como ajudar as pessoas com essas experiências.

Se não estudarmos as experiências, estaremos apenas lidando com os termos descritivos externos do TDAH. Isso, infelizmente, só permitirá o progresso do nível da superfície, e muito mais desafios para as pessoas que estão tendo a experiência do que foram: TDAH.

Um dos maiores serviços que podem ser feitos para as pessoas rotularem com TDAH é ser definido por um termo descritor sem um olhar minucioso sobre suas experiências internas. Um ser humano é muito mais complexo e matizado do que o que pode ser contido em um acrônimo de quatro letras, e enquanto os diagnósticos são úteis- uma terminologia simplista pode levar a grandes mal-entendidos.

Assim, para trazer clareza a esta questão, devemos afirmar que as experiências das pessoas que lutam com o que chamamos de TDAH são reais, e devem ser analisadas de perto para trazer a verdadeira compreensão. É por isso que eu digo que o TDAH é real, mas nós não entendemos completamente. É essa lacuna entre terminologia descritiva e experiência humana real que afeta muitos que sofrem diariamente.

Imagine se você quiser que, em vez de espalhar definições de diagnóstico criadas por observadores externos durante campanhas de conscientização – que, em vez disso, espalhamos histórias da vida real das experiências diárias das pessoas. Imagine o impacto nas pessoas que não têm essas experiências, e como elas seriam capazes de entender melhor o que outras pessoas estão passando ouvindo essas experiências e se colocando nessas experiências.

O maior presente que alguém tem que dar ao outro é o reconhecimento de sua própria falta de conhecimento. Sem esse reconhecimento não pode haver compartilhamento e nenhum crescimento entre os povos. Há muita coisa que não é entendida sobre o que chamamos de TDAH, e sobre todas as áreas da vida que são afetadas por ele.

O reconhecimento dessa falta de conhecimento é o maior serviço que podemos dar àqueles que estão lutando com a experiência do que chamamos de TDAH. É através desse reconhecimento que a verdadeira compreensão pode começar.

É importante que no espírito desse reconhecimento abordemos o que alguém quer dizer quando pergunta se algo é real ou não?

Determinar a realidade é um tema muito complicado que pode ir a qualquer lugar desde neurobiologia, física quântica, filosofia, religião, cosmologia. No entanto, para a simplicidade deste artigo, assumo que o interlocutor está procurando verificar se o TDAH é uma doença médica real.

Medicamente falando, é classificada como uma deficiência e um distúrbio de aprendizagem com certos marcadores genéticos em indicações neurobimentitárias. É importante nessa análise honrar nosso compromisso com aqueles que lutam com o que chamamos de TDAH para admitir que esses marcadores genéticos e indicações neurobiológicas não são os mesmos do termo descritivo chamado TDAH.

Em outras palavras, as pessoas que são rotuladas com TDAH tendem a ter certos marcadores genéticos e indicações neurobiológicas. No entanto, isso não significa que haja um gene ou químico de TDAH no corpo que possa ser testado. Uma representação do TDAH dessa forma definitiva ofusca a realidade e dificulta a luta das pessoas que lutam com a experiência do TDAH.

A razão pela qual este é o caso é porque as pessoas tendem a acreditar que se não há um teste para um produto químico ou um gene, então não há como determinar se é real. Além disso, as pessoas acreditarão que se não houver nenhum tDAH químico ou gene, então não pode ser real.

Este é um pensamento altamente infeliz, e leva a muita dificuldade para as pessoas rotuladas com TDAH enquanto tentam explicar suas lutas para a família, amigos, colegas e empregadores. O que está causando esse mal-entendido é novamente o nível de superfície pensando em você equiparando um termo descritivo com a experiência interior de alguém. Talvez seja mais preciso dizer que o que as pessoas chamam de TDAH é na verdade um conjunto de condições e relações entre biologia, fisiologia, psicologia, neurologia e todas as outras funções corporais, além de todos os outros fatores ambientais que podem afetar uma pessoa. Este olhar amplo sobre o TDAH é obviamente extremamente complexo e não algo que pode ser tão facilmente compreendido, mas sem essa compreensão matizada então tudo o que realmente temos é um mal-entendido.

Bem, tDAH pode ser apenas um termo descritivo e não há nenhum gene ou químico TDAH que possa ser testado – isso não significa que as experiências de pessoas rotuladas com TDAH não são reais. Assim como pode não haver teste químico ou genético para revelar a realidade do estado psicológico e fisiológico de alguém após um rompimento romântico muito sério, não saímos por aí dizendo às pessoas que sua dor e sofrimento não são reais. Da mesma forma, não há nenhum teste químico ou genético para revelar a realidade do talento ou habilidade excepcional de alguém – não saímos por aí dizendo às pessoas que seus talentos e habilidades não são reais.

A tentativa de equiparar as experiências de alguém com o termo descritivo que deve ser as pessoas para serem testadas quimicamente ou geneticamente e serem linearmente e simplistamente compreendidas é a causa de tanto mal-entendido e a controvérsia em torno da questão “o TDAH é real?”. Essa tendência de desvalorizar a experiência humana e substituí-la por terminologia de observadores externos é algo que é um padrão em nossa sociedade, e tem causado muito mais danos àqueles que têm certas experiências marginalizadas que todos nós gostaríamos de admitir.

A menos que nossa sociedade possa superar definições de nível de superfície e contextualizações simplistas – não seremos capazes de realmente ajudar e servir. Sem o reconhecimento da falta de conhecimento, então tudo o que se tem são suas próprias percepções. A verdadeira compreensão e o verdadeiro conhecimento baseiam-se na admissão da ignorância e no aprendizado através das experiências dos outros. Sem isso, não seremos capazes de olhar para a natureza matizada da realidade, mas sim nossas próprias projeções conceituais do que pensamos que a realidade não é apenas para nós mesmos, mas também para os outros.

Minha esperança é que, ao escrever este artigo, as pessoas possam olhar além das questões de nível superficial em torno desta questão controversa, e possam começar a verdadeira jornada de conhecimento e compreensão. As pessoas têm experiências em suas experiências são reais. As pessoas que não têm essas experiências não entendem completamente a natureza e a nuance dessas experiências ou aquelas que as estão tendo. Assim como um mecânico nunca professaria entender completamente a cirurgia cerebral nem o que um cirurgião cerebral professa para entender completamente como consertar um carro também deve haver um reconhecimento da falta de conhecimento por falta de experiência.

O maior serviço a qualquer ser humano não é feito através de projeção ou conceituação, mas através do simples ato de ouvir e realmente ouvir com outro está passando ou experiência. É só através dessa escuta que podemos começar a entender os detalhes e nuances da experiência do outro. Cada pessoa é diferente e tem experiências diferentes, porém pode haver certas semelhanças e semelhanças que muitas vezes se sobrepõem. É tão importante focar nas experiências únicas dos indivíduos quanto focar nas sobreposições que eles tendem a compartilhar.

Assim como não existe uma média na vida real, a sobreposição de certas semelhanças e experiências comuns não é uma pessoa real manifesta. Em vez disso, há muitos indivíduos diferentes com experiências diferentes. Em outras palavras, não existe a média de 1,93 crianças por família, pois não existe tal coisa na realidade como 1,93 de uma criança. Da mesma forma, as sobreposições do TDAH não se manifestam de fato em uma pessoa realmente tangível, mas fazem parte de muitas pessoas diferentes com experiências diferentes.

Conhecer muitas pessoas diferentes com experiências diferentes não é uma tarefa fácil. Até conhecer uma pessoa é muito difícil, por causa da natureza complexa e nuance da experiência humana na dinâmica da vida. No entanto, sem essa tentativa sincera e honesta de valorizar, validar e entender as experiências dos outros, então infelizmente não há muito que possa ser aprendido. Além disso, e mais desanimador, sem esse conhecimento não pode haver uma maneira muito eficaz para os outros seres humanos se ajudarem.

Espero que através desta exploração desta questão você possa ver o quão útil é se o questionador tem a intenção de perguntar se realmente entendemos o que é tDAH?

É só quando podemos entender as experiências de outras que estamos em posição de ajudar. Dessa forma, explorar esse tema pode ser muito útil e benéfico para as pessoas que lutam com o que é chamado de TDAH, pois poderia trazer a verdadeira compreensão através da verdadeira escuta das experiências dos outros.

Com a verdadeira compreensão e a verdadeira escuta se torna real ajudando, e esse seria o maior serviço não apenas para as pessoas que lutam com o que é chamado de TDAH, mas para todos os seres humanos que estão apenas tentando viver a vida lidar com seus muitos desafios.

Este artigo representa mais um chamado para que sejamos mais humanos e mais compassivos uns com os outros. Minha esperança é que, em vez de continuar um debate, possamos sim tentar continuar e aprofundar nossa humanidade.

About the Author

CJ grew up admiring books. His family owned a small bookstore throughout his early childhood, and he would spend weekends flipping through book after book, always sure to read the ones that looked the most interesting. Not much has changed since then, except now some of those interesting books he picks off the shelf were designed by his company!